PMEs

Documentação é entrave para 92% das PMEs conseguirem crédito

Mesmo com os processos cada vez mais automatizados e digitalizados, 92% dos micro e pequenos negócios ainda não conseguiram crédito por conta de documentação incompleta, segundo levantamento da fintech Openbox.ai.

De acordo com estudo do Sebrae de 2020, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas, são 7 milhões de micro e pequenas empresas, e 10,9 milhões de MEI que, juntos, representam 99% de todas as empresas do país, responsáveis por cerca de 30% do PIB e 55% do estoque de empregos formais. Ao tratar sobre crédito empresarial, quase 33% dos donos de micro e pequenos negócios consideram o grau de exigência para concessão ou renovação de empréstimos bancários alto, sendo que apenas 10% acreditam ser baixo.

Em contrapartida, empresários assumem que a gestão financeira de seus negócios é uma dor em suas rotinas. Segundo a pesquisa da Endeavor, Neoway e J.P. Morgan “Desafios dos empreendedores brasileiros”, realizada neste ano, os itens planejamento orçamentário foram citados por 22% das empresas entrevistadas; e contabilidade e auditoria, lembrados por 17%, são indícios dessa dificuldade de organização.

Já de acordo com levantamento da Mazars, a nova Lei 14.195/21, “traz a desburocratização ao processo de abertura das empresas, bem como estabelece o fim das Empresas Individuais de Responsabilidade Limitada (Eireli)”.

Segundo o estudo, a lei, “dessa forma, é benéfica para quem pretende abrir um negócio, uma vez que acaba com as exigências das Eireli de integrar capital social mínimo de 100 salários mínimos para a criação de uma organização empresarial.”

“Agora, com a SLU, também é possível ter uma separação do que é patrimônio pessoal do empreendedor e do que é patrimônio da empresa. A Eireli deixa de existir porque os empreendedores e investidores passaram a usar o regime de SLU, em função dos benefícios como o fato de não precisar de um capital social mínimo, e uma mesma pessoa pode ter mais de uma empresa aberta nesse mesmo formato. O fim da Eireli não muda o regime tributário da empresa, porque, hoje, as empresas que estão constituídas nesse formato automaticamente serão transformadas em uma Sociedade Limitada Unipessoal”, afirma Andressa Lago, gerente de Paralegal da Mazars.

Regulada pelo ordenamento jurídico brasileiro desde 2019, a SLU ajuda a simplificar o cenário empresarial do país, uma vez que facilita a tomada de decisão dos empreendedores, já que eram comuns as dúvidas entre constituir uma SLU ou uma Eireli.

Fonte: Monitor Mercantil

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *